Contas do governo registram o melhor resultado em 7 anos

 

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes Foto: Marcos Corrêa/PR

Com forte alta na arrecadação de tributos, as contas do Governo Central registraram, em 2021, o menor déficit primário desde 2014. A diferença entre as receitas e as despesas ficou negativa em R$ 35,073 bilhões no ano passado, após um déficit de R$ 743,255 bilhões em 2020.

O rombo de 2021 é equivalente a 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB), após um déficit de 10,0% do PIB em 2020, em face da pandemia de Covid-19. A meta fiscal do ano passado admitia um déficit primário de até R$ 247,118 bilhões nas contas do Governo Central.

O desempenho em 2021 ficou próximo do teto do intervalo das expectativas do mercado financeiro, que eram de um déficit de R$ 66,04 bilhões a R$ 35,0 bilhões, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast. A mediana era negativa em R$ 40,20 bilhões.

Dezembro
O saldo do Governo Central – que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – ficou positivo em R$ 13,824 bilhões em dezembro, o melhor desempenho para o mês desde 2013, quando houve superávit de R$ 23,093. Em dezembro de 2020, o resultado havia sido negativo em R$ 44,133 bilhões.

O resultado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas colhidas pelo Projeções Broadcast, que eram de déficit de R$ 16,760 bilhões a superávit de R$ 14,50 bilhões. A mediana era positiva em R$ 9,0 bilhões.

Receitas e despesas
Em 2021, as receitas tiveram alta real de 21,6% em relação ao ano anterior. Em dezembro, houve alta de 19,0% em comparação ao mesmo mês de 2020. Já as despesas caíram 23,6% em 2021, já descontada a inflação. Apenas em dezembro, a variação foi negativa em 17,6%.

Composição
As contas do Tesouro Nacional – incluindo o Banco Central – registraram um superávit primário de R$ 212,265 bilhões em 2021, de acordo com dados divulgados nesta sexta. Em dezembro, o superávit primário nas contas do Tesouro Nacional (com BC) foi de R$ 5,795 bilhões.

Por outro lado, o resultado do INSS foi um déficit de R$ 247,338 bilhões no ano passado. Ainda assim, no mês de dezembro, o resultado da Previdência foi positivo em 8,029 bilhões.

As contas apenas do Banco Central tiveram déficit de R$ 611 milhões em 2021 e superávit de R$ 143 milhões no último mês do ano.

‘Empoçamento’
O volume de “empoçamento” de recursos nos ministérios encerrou 2021 em R$ 16,4 bilhões, de acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional. O valor de verbas não utilizadas pelo governo federal ficou abaixo dos R$ 21,7 bilhões registrados em 2020 e dos R$ 17,4 bilhões que sobraram em 2019.

– Para o fechamento do ano, é o segundo menor nível desde 2017, fruto de alocação orçamentária-financeira eficiente – avaliou o Tesouro.

Já o volume de restos a pagar inscritos para 2022 chegou a R$ 233,7 bilhões, um aumento de 2,6% em relação à inscrição ocorrida no ano passado, de R$ 227,9 bilhões.

Os cancelamentos de restos a pagar até dezembro de 2021 totalizaram R$ 33,2 bilhões, ante R$ 10,1 bilhões no mesmo período de 2020.

*AE

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.