Caaporã e Pitimbu serão facilitadoras do "Florescer Mulheres"

Foi realizada, nesta quinta-feira (08/07), a capacitação de profissionais da rede de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica dos municípios de Caaporã e Pitimbu que serão facilitadoras do "Florescer Mulheres". O projeto é uma iniciativa do Ministério Público da Paraíba (MPPB) para combater e prevenir a violência contra a mulher. 


Participaram da capacitação a promotora de Justiça de Caaporã, Miriam Pereira Vasconcelos; a gestora e executora do projeto, promotora Dulcerita Alves; a professora do Unipê, Leda Maia; e 16 profissionais entre representantes da Secretaria de Desenvolvimento Humano e Inclusão Social de Caaporã e da Secretaria de Assistência Social de Pitimbu; dos Centros de Referência em Assistência Social (Cras/Creas) e dos Conselhos Tutelares das duas cidades. 


A capacitação foi aberta pela promotora Dulcerita Alves que apresentou o histórico de desenvolvimento do projeto, que foi criado após perceber que a cultura só pode ser mudada ao trabalhar tanto o homem quanto a mulher envolvida na situação de violência doméstica.


Ainda conforme a promotora, o projeto teve início em maio de 2019 e é desenvolvido em parceria com o Curso de Psicologia do Unipê. O projeto é realizado por meio de grupos operativos com mulheres que estejam ou não em situação de violência doméstica e até voluntárias e familiares.


A gestora do projeto explicou que os grupos são realizados em formato de círculos que preservam a confidencialidade das histórias e dos envolvidos. Entre os benefícios para as participantes estão o empoderamento, conhecimento sobre violência doméstica, mudança de conceito, escuta empática, ajuda mútua e a quebra do ciclo da violência. Além disso, também é feito encaminhamento das mulheres a cursos profissionalizantes e a atendimentos psicológicos individuais.


A promotora Miriam Vasconcelos informou que, em maio, houve uma apresentação do projeto a representantes de Caaporã e Pitimbu, quando houve a adesão à iniciativa do MPPB. 


De acordo com a promotora Miriam Vasconcelos, as mulheres que vão participar dos grupos operativos serão selecionadas de processos de violência doméstica que tramitam na comarca de Caaporã e entre aquelas que fizeram representação na delegacia local com pedido de medida protetiva. A partir da capacitação, será feita uma triagem com a lista já encaminhada pela Promotoria de Justiça à rede de proteção.


A promotora Miriam Vasconcelos expressou ainda a felicidade de contribuir para o empoderamento feminino e destacou o comprometimento das profissionais que fazem parte da rede de proteção dos dois municípios.


A capacitação foi ministrada pela professora Leda Maia que falou sobre a parceria do projeto "Florescer Mulheres" com o projeto "O cravo e rosa", do Unipê.


A professora falou que o objetivo do projeto é criar um espaço de acolhimento que facilite a troca de experiências de forma que as participantes do grupo possam perceber que não se trata de problemática individual mas compartilhada.


Ela explicou que a metodologia envolve a realização de cinco encontros semanais, com duas horas de duração. O funcionamento dos encontros se dá através de rodas de conversas, apresentações de vídeos, realização de dinâmicas e estímulo à reflexão e compartilhamento de experiências.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Engenheira pernambucana vai comandar fábrica da Jeep em Goiana (PE)

Vereador Sargento Torres faz requerimento para que seja suspenso por 120 dias o desconto em folha dos empréstimos consignados dos Ativos e inativos da Prefeitura de Goiana