MPPB ajuíza ação de improbidade administrativa contra prefeito de Caaporã

Ministério Público da Paraíba (MPPB) - Producuradoria-Geral de Justiça — Foto: Krystine Carneiro/G1
O Ministério Público da Paraíba (MPPB) ajuizou uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o prefeito de Caaporã, na Paraíba. Cristiano Ferreira Monteiro teria descumprido o contrato pactuado entre o município com a Caixa Econômica Federal (CEF), no que se refere à falta de repasse ao banco público dos valores descontados na folha de pagamento dos servidores que contraíram empréstimos consignados com o banco.

O prefeito Cristiano Ferreira informou a gestão iniciada em 2017 se deparou com um débito de aproximadamente R$ 700 mil a título de repasses dos empréstimos consignados referentes aos meses de novembro e dezembro de 2016. "Ou seja, obrigações não honradas pela gestão anterior, a mesma que formalizou o Convênio junta à Caixa Econômica Federal", disse em nota.

A nota ainda explicou que o "débito só veio ser adimplido na atual gestão, acarretando prejuízo ao planejamento e finanças públicas. Importante esclarecer que a atual gestão adotou todas as medidas para solucionar o impasse junto à citada instituição financeira, inclusive com o ajuizamento de ação que tramita perante o foro competente da Justiça Federal".

Segundo a promotora de Justiça Cassiana Mendes, o convênio entre o município e a Caixa foi celebrado na gestão anterior, em fevereiro de 2012, por prazo indeterminado e, durante a gestão de Cristiano Ferreira, diversas reclamações chegaram à promotoria, no sentido de que a prefeitura estava procedendo aos descontos nos contracheques dos servidores, deixando, entretanto, de repassá-los à empresa pública.

A promotora informou que 1.379 servidores públicos municipais contraíram empréstimos junto à Caixa Econômica Federal após o convênio, tendo muitos deles enfrentado os problemas aqui reportados, inclusive alguns ingressando com ação judicial.

O débito atualizado até fevereiro de 2018 dos valores referentes às parcelas dos meses de novembro e dezembro de 2017 e janeiro e fevereiro de 2018 que foram descontados nos contracheques dos servidores, mas não repassados ao banco, é de R$ 1,2 milhão. O atraso no repasse das parcelas já havia originado, até fevereiro do ano passado, um acréscimo de R$ 35 mil, a título de multa e outros encargos, com prejuízo aos cofres municipais.

Bloqueio de bens


A ação civil pública foi protocolada na segunda-feira (28) na Vara de Justiça de Caaporã e requer prioridade na tramitação e a concessão de medida liminar de indisponibilidade de bens do prefeito no montante não inferior a R$ 577,5 mil (o correspondente a 35 vezes o valor da remuneração dele como gestor) para garantir o ressarcimento dos prejuízos causados ao erário municipal, bem como o pagamento de multa civil.

A promotoria requereu ainda que o prefeito seja condenado por improbidade administrativa, com perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pagamento de multa civil e responsabilização dele pelos danos morais/extrapatrimoniais decorrentes dos atos de improbidade administrativa.

Do G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Engenheira pernambucana vai comandar fábrica da Jeep em Goiana (PE)

Vereador Sargento Torres faz requerimento para que seja suspenso por 120 dias o desconto em folha dos empréstimos consignados dos Ativos e inativos da Prefeitura de Goiana