Pular para o conteúdo principal

Pela 1ª vez no ano, ocupação de UTIs do país é menor que 80%

 

Governo do RJ descobriu mais de 40 leitos de UTI ocultos em oito cidades Foto: Governo do RJ/Rogerio Santana

A ocupação de leitos de UTI destinados a pacientes de Covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS) está abaixo de 80% em todos os estados pela primeira vez desde outubro de 2020, aponta edição extraordinária desta quarta-feira (11), do Boletim Observatório Covid-19 Fiocruz. Reunidos na segunda-feira (9), os dados indicam que se trata do melhor cenário desde quando o grupo começou a monitorar esse índice, em julho de 2020.

Segundo o boletim, 14 estados apresentam taxas inferiores a 50%: Acre (13%), Pará (48%), Amapá (26%), Piauí (48%), Ceará (47%), Rio Grande do Norte (34%), Paraíba (22%), Pernambuco (41%), Alagoas (26%), Sergipe (35%), Bahia (43%), Minas (47%), Espírito Santo (42%) e São Paulo (46%).

Por outro lado, cinco estados estão na zona de alerta intermediário. Mato Grosso e Goiás, aponta a Fiocruz, registraram as maiores taxas de ocupação, com, respectivamente, 79% e 78% dos leitos de UTI Covid para adultos ocupados. Recordista no número de casos da variante Delta, com 206 registros, o Estado do Rio apresentou crescimento do indicador nas duas últimas semanas e registra agora taxa de 67%. Mais transmissível, a cepa identificada originalmente na Índia tem freado reaberturas econômicas pelo mundo e colocado autoridades em alerta.

Além deles, encontram-se na zona de alerta Rondônia (64%) e Roraima (70%). A Fiocruz, no entanto, aponta que a elevação do indicador pode corresponder à redução de leitos de UTI para Covid-19 para adultos no SUS, “provavelmente em um processo de gerenciamento de leitos frente à queda na demanda, e não ao aumento de leitos ocupados”.

Na faixa entre 50% e 60% de ocupação, estão Amazonas (54%), Tocantins (58%), Maranhão (52%), Paraná (59%), Santa Catarina (56%), Rio Grande do Sul (57%), Mato Grosso do Sul (56%) e Distrito Federal (59%).

NAS CAPITAIS, RIO E GOIÂNIA TÊM TAXAS ALTAS
Em relação às capitais, a cidade do Rio (97%) e Goiânia (92%) são as mais preocupantes, mantendo taxas críticas há semanas. Além delas, seis capitais estão na zona de alerta intermediário: Porto Velho (63%), Boa Vista (70%), São Luís (64%), Curitiba (65%), Campo Grande (65%) e Cuiabá (74%).

Por sua vez, 19 capitais estão fora da zona de alerta: Rio Branco (12%), Manaus (54%), Belém (44%), Macapá (29%), Palmas (53%), Teresina (39%), Fortaleza (53%), Natal (34%), João Pessoa (19%), Recife (39%), Maceió (25%), Aracaju (43%), Salvador (38%), Belo Horizonte (57%), Vitória (36%), São Paulo (43%), Florianópolis (31%), Porto Alegre (59%) e Brasília (59%).

MUDANÇA REFLETE AVANÇO DA VACINAÇÃO, DIZEM CIENTISTAS
Os pesquisadores da Fiocruz ressaltam que o resultado reflete os ganhos adquiridos com o avanço da vacinação no país.

– Considerando que ainda são altos os níveis de transmissão de casos e óbitos, a vacinação deve ser ampliada e acelerada, além de combinada com o uso de máscaras e distanciamento físico, para manutenção e avanços nos resultados – orientam.

A análise aponta ainda que o quadro de melhora nas taxas de ocupação de leitos acontece simultaneamente ao processo de redução significativa dos leitos disponíveis à Covid-19 no Distrito Federal e em muitos estados. Ou seja, apesar de menos leitos estarem disponíveis, as taxas de ocupação seguem em declínio. Em relação à semana anterior, a análise constatou ainda que o número de óbitos reduziu 1,1%. Já a incidência de novos casos diminuiu 0,8% por dia.

– Ampliar a vacinação completa para todos os elegíveis torna-se fundamental neste momento, incluindo campanhas e busca ativa para os que ainda não tomaram a 2ª dose das vacinas que envolvem duas doses, como a Coronavac, a AstraZeneca e a Pfizer – destacam os pesquisadores do Observatório.

A circulação de novas variantes do vírus, observam os pesquisadores, tem aumentado as infecções, mas não necessariamente o número de casos graves. Isso acontece por causa da imunização de grupos populacionais mais vulneráveis, como os idosos e portadores de doenças crônicas.

Apesar dessa observação, os cientistas alertam que, por mais que as vacinas contribuam para a redução de casos graves, internações e óbitos, a possibilidade de surgimento e espalhamento de novas variantes de preocupação exige esforço para manter os serviços de vigilância em saúde em alerta.

*AE

Comentários

Mais Notícias

ADay - Feira de Desenvolvimento de Goiana

Prefeitura de Goiana realizou nesta sexta-feira(29), A Feira de Desenvolvimento de Goiana - ADay, um evento muito importante oferecido em parceria com a AD Goiana esteve presente o prefeito Eduardo Honório e diversas lideranças do município.                   Essa segunda edição trouxe exposições de artistas locais, além diversos serviços voltados nas áreas do empreendedorismo, com oficinas, palestras, workshops, além de serviços também de saúde, orientações jurídicas, sala do MEI e inscrições em vários cursos. É uma alegria poder oferecer novas oportunidades e estimular nossos micro e pequenos empresários, estudantes e jovens a continuarem se preparando para ingressarem no mercado de trabalho. Disse o Prefeito Eduardo Honório. Secom

Em Caaporã prefeito Monteiro esteve prestigiando evento no SENAI

                 Nesta sexta-feira(29), O prefeito de Caaporã Kiko Monteiro Atendendo ao convite do presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba FIEP, Francisco de Assis Benevides Gadelha, o diretor técnico do Sebrae/PB, Luiz Alberto Gonçalves Amorim e o gerente de sustentabilidade LafargeHolcim-LHVBrasil, Bruno Hallak, estivemos na cerimônia de entrega de certificados do Projeto Sabor Empreendedor, no Centro de Formação Profissional do SENAI - Robson Braga de Andrade, em Caaporã. 

1ª Reunião Ampliada de Saúde Mental em Goiana

Nesta Sexta-Feira(29),  aconteceu a nossa 1ª Reunião Ampliada de Saúde Mental, onde discutimos a defesa e garantia do cuidado psicossocial no SUS.                   Um tema de grande importância sobretudo em tempos de pós-pandemia. A palestra conduzida pela enfermeira sanitarista Dannieli Régis e os debates em grupos deixaram o momento ainda mais enriquecedor. O nosso prefeito  E duardo Honório e a secretária de saúde  L ícia Maciel falaram da necessidade de ações e conscientização que serão feitas a respeito dessa demanda em Goiana.  Secom