Políticas do governo garantem atendimento diferenciado a pessoas com deficiência

Virgínia Santos e o irmão Arthur Antônio dos Santos.png
Ter acesso a atendimento especializado de saúde foi fundamental para que a jovem de Brasília Virgínia dos Santos, de 21 anos, portadora da síndrome de Down, ganhasse autonomia nas atividades diárias. Hoje ela trabalha, ajuda nas tarefas domésticas e tem mais capacidade de concentração.
Foi em uma unidade do Sistema Único de Saúde (SUS) que Virgínia teve acesso ao acompanhamento necessário para se desenvolver melhor. Ela frequenta o Centro de Referência Interdisciplinar em Síndrome de Down, conhecido como Cris Down, que funciona no Hospital Regional da Asa Norte, no Distrito Federal.
O irmão da jovem, Arthur Antônio dos Santos, contou que Virgínia era muito dispersa e passou a ter mais disciplina, o que a permitiu ter uma atividade remunerada, trabalhando com a higienização de livros em uma biblioteca.
“Sem esse projeto o desenvolvimento dela estaria mais comprometido, aqui ela tem os colegas, tem assimilado bem os conteúdos, tem programas culturais, uma atenção diferenciada dos profissionais de saúde e isso tem sido muito bom para o desenvolvimento dela”, afirmou. Além do Cris Down, Virgínia também frequenta a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae).


 Carolina Vale, fisioterapeuta e coordenadora do Cris Down Foto: TV Brasil / EBC
A importância do atendimento especializado e diferenciado para quem tem deficiência representa a oportunidade para que a pessoa desenvolva sua capacidade e vença o preconceito que muitos deficientes enfrentam de serem vistos como incapazes, de acordo com a fisioterapeuta e coordenadora do Cris Down, Carolina Vale.
A coordenadora relatou que muitos jovens e adultos estão incluídos na sociedade, trabalhando, mas ainda há aqueles que, por falta de conhecimento das famílias, passam o dia em casa, sem atividades. “Quando eles vêm para os grupos de habilidades, eles mostram do que são capazes. Temos muitas histórias bonitas aqui de pais que chegam falando que o filho não consegue fazer algo e, depois do atendimento, o filho começa a fazer”, disse.
Vânia Rocha, mãe de criança com Síndrome de Down que frequenta o Cris Down, em Brasília Foto: TV Brasil / EBC
Mãe de um bebê de um ano e seis meses, também com Síndrome de Down, Vânia Rocha, frequenta o Cris Down e disse que sente a diferença do atendimento especializado no desenvolvimento do filho. “Quando ele chegou aqui era bem molinho, e aqui ele tem se desenvolvido muito bem. Coisas que ele não fazia, ele aprendeu aqui, como sentar. A cada dia que ele vem aqui, ele volta pra casa com uma coisa nova e é muito bom”, observou.
Para ampliar o atendimento especializado, o Ministério da Saúde anunciou, na terça-feira (3), o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, a habilitação de 66 novos serviços de odontologia e ortopedia especializados para pessoas com deficiência. A pasta vai transferir R$ 70,1 milhões por ano para bancar o custo dos novos serviços habilitados no Sistema Único de Saúde (SUS), que devem beneficiar mais de um milhão de pessoas com deficiência no Brasil.
Haverá 20 centros especializados em reabilitação; oito para pacientes com doenças raras; sete oficinas ortopédicas; e 31 centros odontológicos. Desses, 14 vão integrar a Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência, o que permite que recebam 20% a mais de recursos para custeio por mês.
 Benefício de Prestação Continuada
O Governo Federal tem uma série de ações voltadas para as pessoas com deficiência. Um exemplo é a concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC), que garante renda no valor de um salário mínimo para pessoas com deficiência de qualquer idade.
Para possibilitar maior e melhor acesso de beneficiários com deficiência aos serviços e programas do Serviço Único de Assistência Social (SUAS), o Ministério da Cidadania está incluindo quem recebe o BPC e suas famílias no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.
Inclusão na educação
Para que todos tenham acesso às oportunidades na área educacional, o Ministério da Educação presta atendimento diferenciado a candidatos com deficiência no Enem. Na edição de 2019 do Exame Nacional do Ensino Médio, 50 mil participantes manifestaram necessidades especiais para fazer o exame.
Entre os recursos oferecidos, estão apoio para pernas e pés, mesa para usuários de cadeira de rodas, salas de fácil acesso e prova impressa em braile. Para os participantes com baixa visão, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) também disponibiliza as provas nas modalidades ampliada ou superampliada, ou seja, impressas com fontes caligráficas e imagens aumentadas. O Inep é responsável por operacionalizar o exame no país.
Esporte
Em junho, o Ministério da Cidadania anunciou a reinclusão de deficientes auditivos no Bolsa Atleta e parceria para viabilizar a sede da Confederação Brasileira de Desportos de Surdos. O objetivo é ampliar investimentos nos próximos anos, valorizando e incluindo o atleta com deficiência auditiva.
Pensão vitalícia para crianças com microcefalia
Em setembro, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória que torna vitalícia a pensão para crianças vítimas de microcefalia causadas pelo vírus Zika e contempladas pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC).
O valor de um salário mínimo será concedido a quem nasceu de 2015 a 2018. Segundo o Ministério da Cidadania, existem 3.112 crianças nesta condição no País. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Engenheira pernambucana vai comandar fábrica da Jeep em Goiana (PE)

Vereador Sargento Torres faz requerimento para que seja suspenso por 120 dias o desconto em folha dos empréstimos consignados dos Ativos e inativos da Prefeitura de Goiana