Todos Contra o Corona Vírus

Delegacia da Mulher não registra queixa de vítima ameaçada de morte

Delegacia da Mulher não registra queixa de vítima ameaçada de morte
Segundo o Instituto Maria da Penha, a denúncia poderia ter sido notificada em qualquer delegacia da cidade, inclusive na da mulher - Foto: Foto: Reprodução/ Google Street View

Uma mulher ameaçada de morte, que também teria sido espancada e torturada pelo ex-companheiro, não conseguiu registrar um boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher, localizada no bairro de Santo Amaro, na área central do Recife. O caso aconteceu nessa quinta-feira (11).
A vítima relatou que sofre há quase uma década com as agressões e ameaças do companheiro, que não aceita o fim do relacionamento. Durante esse tempo, a dona casa sofreu calada. Ela foi espancada, torturada e xingada, mas tinha medo, mas o medo sempre impedia a vítima de denunciar. 
"Ele disse que me mataria com ácido muriático. Ele disse 'Ó, tá vendo esse caso na televisão? Eu faço a mesma coisa se tu me deixar'", disse.


Denúncia

Depois de mais uma sequência agressões físicas e psicológicas, na última semana , a dona de casa achou que iria morrer e criou coragem e para denunciar o ex-companheiro. A vítima mora na Região Metropolitana e procurou a Delegacia da Mulher. Quando chegou lá, no entanto, ela foi informada, pela equipe de plantão, que o boletim de ocorrência só poderia ser realizado na cidade onde mora.

Instituto Maria da Penha

A equipe da TV Jornal procurou órgãos de apoio às mulheres vítimas de violência no Estado. Segundo o Instituto Maria da Penha, a denúncia poderia ter sido notificada em qualquer delegacia da cidade, inclusive na da mulher.
Ainda de acordo com o instituto, a equipe de Santo Amaro deveria ter tratado o caso da dona de casa com urgência.

Providências

A dona de casa conseguiu registrar o boletim de ocorrência, no final da tarde dessa quinta-feira (11), na cidade onde mora. Na manã desta sexta (12), a mulher e os filhos foram encaminhados para o Programa de Proteção do Governo do Estado. A Polícia Civil informou que orientou a vítima a procurar a delegacia da cidade onde mora para tentar agilizar o caso junto à justiça e que, em nenhum momento, ela disse que estava com medo de voltar para sua cidade.

#UmaPorUma

A violência contra a mulher é constante e frequentemente acaba em tragédia. Existe uma história para contar por trás de cada feminicídio, em Pernambuco. O especial Uma por uma contou todas. Em 2018, o projeto mapeou  onde as mataram, as motivações do crime, acompanharam a investigação e cobraram a punição dos culpados. Um banco de dados virtual, com os perfis de vítimas e agressores, além dos trágicos relatos que extrapolam a fotografia da cena do crime. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Engenheira pernambucana vai comandar fábrica da Jeep em Goiana (PE)

Vereador Sargento Torres faz requerimento para que seja suspenso por 120 dias o desconto em folha dos empréstimos consignados dos Ativos e inativos da Prefeitura de Goiana