Itaquitinga se compromete a implementar políticas estadual e nacional de resíduos sólidos


O município de Itaquitinga firmou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) perante o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), comprometendo-se a implantação das políticas nacional e estadual relativas ao gerenciamento de resíduos sólidos. Atualmente Itaquitinga deposita resíduos sólidos gerados por seus munícipes em lixão localizado no Engenho Terra Preta, de maneira ambientalmente inadequada. O MPPE, por meio do projeto institucional Lixão Zero, vem executando ações que visam erradicar os aterros sanitários irregulares e lixões em todo o estado. 

A administração do município se comprometeu a elaborar, aprovar, manter atualizado e operacionalizar o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PGIRS), adotando uma solução consorciada ou compartilhada na gestão dos materiais. O Plano é uma determinação da Política Nacional de Resíduos Sólidos para que os municípios exerçam essa gestão integrada dos resíduos e estabeleçam procedimentos operacionais e especificações determinadas para o serviço. 

Itaquitinga também deve implementar o Conselho Municipal de Meio Ambiente (COMDEMA), estabelecer um sistema de coleta seletiva e a estimular e fomentar a separação dos resíduos; implementando ações educativas na área e promovendo a capacitação de servidores públicos quanto à ações práticas ligadas aos resíduos sólidos. Para que o problema ambiental ocasionado pela incorreta destinação desses materiais não volte a se repetir, a gestão do município ainda irá erradicar e impedir o surgimento de lixões bem como a disposição inadequada de resíduos sólidos e ainda fortalecer e estimular a criação de organizações de catadores. 

O prazo de 120 dias ficou acordado para o cumprimento do TAC, a contar a partir da data de sua assinatura (22/01). O documento foi publicado na íntegra no Diário Oficial Eletrônico do MPPE desta quarta-feira (05/02). 

Saiba mais – Em junho de 2019, o MPPE firmou parceria com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) e o Ministério Público de Contas do Estado de Pernambuco (MPCO-PE) para uma atuação em conjunto no projeto Lixão Zero, que pretende erradicar os aterros sanitários irregulares e lixões em todo o estado. 

Tendo em vista que a Política Estadual de Resíduos Sólidos pessoas físicas ou jurídicas estão sujeitas à responsabilidade administrativa da gestão dos resíduos sólidos, em dezembro passado, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente (Caop Meio Ambiente) promoveu quatro reuniões com prefeitos dos municípios pernambucanos dos agrupamentos 1 e 2 (classificação do próprio MPPE). 

Nas reuniões, o coordenador do Caop Meio Ambiente, promotor de Justiça André Felipe Menezes,  comunicou que a partir de abril de 2020, o MPPE vai tomar as medidas cabíveis em desfavor dos gestores que permanecerem com os lixões ativos, oferecendo contra eles denúncia criminal junto ao Tribunal de Justiça de Pernambuco. Também apresentou a possibilidade de um Acordo de Não Persecução Penal sem o oferecimentos de denúncias criminais à pessoa física representada pelo chefe do Poder Executivo municipal que se comprometa a destinar corretamente os materiais. 

Para todos os prefeitos participantes das reuniões, o MPPE disponibilizou cópia da minuta do Acordo de Não Persecução Penal para avaliar a proposta e sinalizar sobre sua aceitação.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Engenheira pernambucana vai comandar fábrica da Jeep em Goiana (PE)

Vereador Sargento Torres faz requerimento para que seja suspenso por 120 dias o desconto em folha dos empréstimos consignados dos Ativos e inativos da Prefeitura de Goiana