Home Top Ad


Laudo da PRF desmonta versão de empresa de ônibus de Afogados, diz família de vítima

Share:
https://i1.wp.com/nilljunior.com.br/wp-content/uploads/2019/03/Screenshot_20190310-195703.png?resize=433%2C400
A família de Joseilson Pereira Sousa, 31 anos, de Serra Talhada, que faleceu na colisão com o ônibus da empresa Transparaíba entrou em contato com o blog de Nill Junior para questionar a nota oficial da empresa emitida na última terça em que se exime da responsabilidade no episódio.
O choque no último domingo entre o ônibus de turismo da empresa, com escritório em Afogados da Ingazeira e a camionete Hilux aconteceu no quilômetro 430 da BR-232, em Serra Talhada.
A empresa disse em nota que o acidente “foi causado por um veículo de passeio que invadiu a pista contrária vinda a se chocar com o ônibus que transportava 15 passageiros e contava com dois motoristas, ambos habilitados para transporte rodoviário. O motorista, ao ser surpreendido com a Hilux em alta velocidade ainda direcionou o veículo para o acostamento na tentativa de evitar a colisão, mas não conseguiu evitar”.
Josimar Pereira de Souza, irmão da vítima fatal, enviou ao blog a narrativa e boletim da PRF.“No dia 10/03, às 11h43 horas, no km 432,8 da BR 232, ocorreu um acidente do tipo colisão frontal, com uma vítima fatal”. Assina o laudo o Policial Rodoviário Bruno Henrique.
O laudo da PRF diz: “ônibus fez ultrapassagem em local proibido”. E segue: “com base na analise dos vestígios identificados, constatou-se que o veículo Hillux placas LVR 1355 seguia seu fluxo normal sobre a pista principal da BR-232, quando deparou-se com o ônibus placas IKE 9713 que realizava uma ultrapassagem em local proibido”.
Segundo a PRF, o condutor da Hilux freou seu veículo e perdeu o controle, chocando-se com o ônibus que já havia retornado à sua faixa normal.“Conforme constatações em levantamento no local do acidente, concluiu-se que o fator principal foi à desobediência à sinalização e ultrapassagem indevida”.
Conduzia o ônibus Cleison de Souza e Silva, funcionário da empresa, 33 anos. Nem ele nem Joseilson estavam sob efeito de álcool. Com informações do comunicador Anchieta Santos, das rádios Pajeú FM 104,9 e Cidade FM, de Tabira.

Nenhum comentário